Projeto Rede Legal distribui redes ecológicas, beneficiando pescadores das lagoas de Araruama e Saquarema

A prefeita de Saquarema, Franciane Motta, o prefeito de Araruama e presidente do CILSJ, André Mônica, o secretário estadual do Ambiente, Carlos Minc, o coordenador da CT  de Pesca, Leandro Coutinho, o superintendente da Águas  de Juturnaíba e vice-presidente do CBHLSJ, Carlos Gontijo  e o subsecretário do Ambiente, Luiz Firmino, na entrega  das novas redes aos pescadores. (Fotos: Dulce Tupy)

A prefeita de Saquarema, Franciane Motta, o prefeito de Araruama e presidente do CILSJ, André Mônica, o secretário estadual do Ambiente, Carlos Minc, o coordenador da CT de Pesca, Leandro Coutinho, o superintendente da Águas de Juturnaíba e vice-presidente do CBHLSJ, Carlos Gontijo e o subsecretário do Ambiente, Luiz Firmino, na entrega das novas redes aos pescadores. (Fotos: Dulce Tupy)

Idealizado pela Câmara Técnica de Pesca, do Comitê de Bacia Hidrográfica Lagos São João (CBHLSJ), o Projeto Rede Legal busca um ordenamento pesqueiro para região e apoia os pescadores, adequando seus apetrechos de pesca à legislação e fortalecendo as ações de preservação do meio ambiente. Sinalizando o fim da pesca predatória nas lagoas da região, suas ações foram marcadas recentemente pela entrega de redes de pesca ecológicas aos pescadores, dando suporte à atividade pesqueira e promovendo a conscientização da comunidade para a necessidade de recuperação das lagoas de Araruama e Saquarema.

A Lagoa de Araruama é a maior lagoa hiperssalina do mundo. Com uma extensão de 220 km2 e ligação com o mar pelo Canal de Itajuru, em Cabo Frio, suas margens formam uma restinga litorânea pelo lado oceânico, que se estende por 5 municípios (Araruama, Arraial do Cabo, Cabo Frio, São Pedro d’Aldeia e Iguaba Grande). Porém, a especulação imobiliária, o despejo de esgoto in natura e a pesca predatória levaram à degradação de suas águas antes cristalinas que, ao longo dos anos, passou a enfrentar sérios problemas e tornou-se foco das ações ambientais na região. O mesmo aconteceu com a Lagoa de Saquarema, que também sofreu com a especulação imobiliária, despejo de esgoto e constante fechamento da Barra Franca, sua única ligação com o mar.

Redes Ecológicas

As redes foram entregues pelo secretário Minc aos pescadores, entre eles Chico Pescador, da União das Entidades de Pesca e Aquicultura do Estado do Rio de Janeiro (UEPA), em primeiro plano

As redes foram entregues pelo secretário Minc aos pescadores, entre eles Chico Pescador, da União das Entidades de Pesca e Aquicultura do Estado do Rio de Janeiro (UEPA), em primeiro plano

A Câmara Técnica de Pesca, que tem como coordenador o secretário de Agricultura e Pesca de Iguaba Grande, Leandro Coutinho, ao elaborar seu plano de realizações, preocupou-se em entregar aos pescadores artesanais, as redes adequadas à legislação ambiental e recolher as predatórias, sendo este um grande estímulo ao desenvolvimento sustentável da pesca artesanal e uma demanda antiga das Colônias de Pesca. As entidades de pesca beneficiadas com o Projeto Rede Legal são: Colônia de Pescadores de Saquarema, Colônia de Pescadores de Araruama, Colônia de Pescadores de São Pedro da Aldeia, Associação de Pescadores de Iguaba Grande, Associação de Pescadores da Praia da Baleia (São Pedro da Aldeia), Associação de Pescadores da Praia da Pitória (São Pedro da Aldeia) e Associação de Pescadores da Praia do Siqueira (Cabo Frio). Para receber a rede, o pescador precisa estar em dia com a entidade a qual é filiado, ser registrado há mais de 3 anos, assinar um termo de compromisso e responsabilidade e entregar sua rede predatória para as colônias de pesca.

Investimentos

Um total de 1.700 redes de pesca foram entregues neste primeiro momento aos pescadores das duas lagoas, de Araruama e Saquarema. Se fossem alinhadas numa reta, chegariam a 83 Km de extensão! Foram investidos no Projeto Rede Legal, R$ 100 mil do Fundo Estadual de Recursos Hídricos (Fundrhi). O evento de lançamento contou com a presença do secretário estadual do Ambiente, Carlos Minc, do subsecretário Luiz Firmino, do superintendente federal do Ministério da Pesca e Aquicultura Luciano Vidal, do prefeito de Araruama e presidente do Consórcio Intermunicipal Lagos São João (CILSJ), André Mônica, da prefeita de Saquarema, Franciane Motta, da vice-presidente do CILSJ, Ana Paula Medina e do vice-presidente do Comitê de Bacia Lagos São João, Carlos Gontijo, de vários secretários de meio ambiente da região, entre eles David Aguiar de Arraial do Cabo, Adriana Saad de Buzios, Gilmar Magalhães de Saquarema e vereadores, entre eles a presidente da Câmara Municipal de Araruama, Marizete Ramos.

Realizada na sede da Colônia de Pescadores Z-28, na Pontinha do Outeiro, nas margens da Lagoa de Araruama, a cerimônia com a entrega simbólica das redes foi acompanhada com o anúncio de investimentos para a Região dos Lagos. O secretário Carlos Minc anunciou então a liberação de recursos para diversos programas de recuperação ambiental, entre os quais R$ 9 milhões para o esgotamento sanitário de Praia Seca, Araruama; R$ 9 milhões para o esgotamento sanitário de Monte Alto e Figueira, Arraial do Cabo; R$ 2 milhões para o desassoreamento da Lagoa Araruama; R$ 2 milhões para estudos da implantação do Parque Estadual da Costa do Sol; R$ 6 milhões para transposição dos efluentes das Estações de Tratamento de Esgoto de Iguaba e São Pedro da Aldeia para o Rio Una; R$ 2,4 milhões para esgotamento sanitário na comunidade Juturnayba. O anúncio totaliza um investimento de R$ 30,4 milhões para a Região dos Lagos.

Comments are closed.